quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Vindima 2017

O mês de Setembro chegou e com ele chega também uma das atividades agrícolas mais dinâmicas, a VINDIMA.
A Rotas e Raízes defende que as práticas tradicionais devem ser mantidas, revividas e promovidas.
Próximo sábado, dia 9, é dia de VINDIMA.
Este é um excelente programa para familias, pais, avós e netos, podem reunir-se para reviver esta atividade.
PROGRAMA
08h00 - Ponto de encontro na Quinta da Carrola - Casteleiro
08h30 - Inicio da apanha das uvas
10h00 - Reforço matinal
11h00 - Esmagar das uvas
12h00 - Almoço
16h30 - Percurso pedestre: Casteleiro - Sortelha - Casteleiro (Calçada medieval)
19h30 - Final do Programa...
Mais informações e inscrições:
Rotas e Raízes
Telemóveis: 92 4433370; 93 6579874
Email: rotaseraizes@gmail.com



segunda-feira, 10 de julho de 2017

Mais de um milhão de assinaturas contra o glifosato

Plataforma Transgénicos Fora
2017/07/07

A mais rápida de todas as Iniciativas de Cidadania Europeia
MAIS DE UM MILHÃO DE ASSINATURAS CONTRA O GLIFOSATO
Num período record de cinco meses mais de um milhão de pessoas, de todos os Estados Membros da União Europeia, assinaram a favor da proibição do herbicida glifosato. A Iniciativa de Cidadania Europeia (ICE), que foi liderada em Portugal pela Plataforma Transgénicos Fora, exige também que o processo europeu de autorização de pesticidas seja profundamente melhorado e ainda que se estabeleçam metas obrigatórias para a redução do uso de pesticidas na União Europeia (UE).

Em Portugal foram recolhidas 9632 assinaturas (8901 das quais online; sendo as restantes em papel), que foram já entregues para validação à autoridade nacional competente. No total, em toda a UE, assinaram 1 320 517 pessoas. A Comissão Europeia tem agora a obrigação legal de responder às três solicitações em causa através da proposta de medidas concretas no sentido da sua implementação.

O glifosato é o aspeto mais visível e imediato desta ICE. Segundo o agrónomo Jorge Ferreira, da coordenação da Plataforma, "A Comissão pretende reautorizar por mais 10 anos um herbicida que causa cancro em animais de laboratório, para além de induzir desregulação hormonal e malformações congénitas. O lucro privado não justifica o desprezo pela saúde pública e a ECI obriga Bruxelas a encarar os factos: os europeus não querem pesticidas em geral, nem o glifosato em particular."
Neste momento está previsto que em 19-20 de julho o dossiê do glifosato seja discutido no Comité Permanente relevante (ver http://tinyurl.com/paffglif) e a primeira votação tenha lugar em outubro deste ano. O braço de ferro entre a vontade dos europeus e os interesses da indústria dos pesticidas vai continuar, cada vez mais visível, nos próximos meses.

domingo, 9 de julho de 2017

Quinta a 10 minutos de Belmonte para venda.


Quinta com casa de 55m2 para recuperar, um armazém e espaço para animais.
Grande espaço de terreno com árvores de fruto de diversas variedades, com poço para regadio.
Bons acessos, a 10 minutos de Belmonte.

Veja em ImoAugusto.pt esta e outras opções 

Câmara de Guimarães lança incubadora rural para gerir bolsa de terras

A Câmara Municipal de Guimarães, no âmbito da promoção de Projectos Inovadores e Pioneiros, propõe-se dinamizar uma Incubadora de Base Rural. Um instrumento que pretende impulsionar empreendedores, que não dispondo de recursos pretendem transformar ideias em negócios.
A cerimónia de lançamento desta iniciativa é na sexta-feira, 7 de Julho, pelas 9.30 horas, no Laboratório da Paisagem, e conta com a presença do presidente da Câmara de Guimarães, Domingos Bragança, e do consultor e empresário agrícola, José Martino, um dos principais impulsionadores deste projecto.

“A principal característica inovadora é a disponibilização de Terras através de um Banco e Bolsa de Terras”, afirmou José Martino. O Município de Guimarães dispõe-se através do Banco de Terras a arrendar terrenos agrícolas e florestais, cujos proprietários, de forma voluntária, os coloquem para subarrendamento.

“Este instrumento de desenvolvimento rural pretende ajustar o desequilíbrio entre a dimensão das propriedades e as dimensões de economia de escala, quer para actividades agrícolas quer florestais”, acrescentou José Martino.

Desta forma, “esta incubadora irá potencializar a moderna forma de gestão sendo um instrumento eficaz de prevenção de fogos e incêndios florestais, já que limita a massa combustível e promove o desenvolvimento de mosaicos intercalados de agricultura e floresta”, sublinhou o consultor.

A Incubadora de Base Rural procura afirmar-se como uma estrutura de fomento do empreendedorismo qualificado e criativo nas áreas de produção agrícola, florestal, indústria agroalimentar, serviços conexos e tecnologia aplicada, disponibilizando, para o efeito, um conjunto de serviços e apoios de cariz imaterial, complementado por um banco e uma bolsa de terras.
À semelhança de uma incubadora de empresas generalista, a Incubadora de Base Rural concentra em si um conjunto de infraestruturas e serviços integrados e uma estrutura de recursos humanos dedicada ao apoio de promotores de ideias e planos de negócio, acompanhando-os desde a definição da ideia até ao lançamento do projecto.

É objectivo central da Incubadora ajudar e apoiar os proponentes de projectos de empreendedorismo de base rural, disponibilizando-lhes meios e condições favoráveis à transformação de ideias e projectos inovadores em planos de negócios e estes em organizações empresariais de sucesso.

Guimarães afirma-se assim, à escala nacional, como um polo de atracção das iniciativas empreendedoras de base rural, providenciando para tal as melhores condições de suporte (incubação) para o desenvolvimento, aceleração e consolidação das mesmas. In correio do Minho

segunda-feira, 15 de maio de 2017

ÚLTIMOS DIAS - GARANTA O SEU LUGAR | Workshop "Planeamento Alimentar Urbano: Conceitos e práticas para a inovação territorial na AML" | 24 maio, CCDR-LVT



ÚLTIMAS OPORTUNIDADES PARA SE INSCREVER
GARANTA O SEU LUGAR!


O Colégio Food, Farming and Forestry (F3) da ULisboa, com o apoio da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT), organiza, no próximo dia 24 de maio, entre as 9h00 e as 17h45, um workshop de caráter eminentemente prático na temática do Planeamento Alimentar Urbano: Conceitos e práticas para a inovação territorial na Área Metropolitana de Lisboa.

Entrada livre, sujeita a inscrição e limitada à capacidade da sala (até 19 de maio, enviando e-mail para: ccdrlvt@ccdr-lvt.pt)

Mais informações
Programa
Cartaz do evento

sábado, 13 de maio de 2017

CONVITE - Seminário “O Futuro da Agricultura Nacional: A Política Agrícola Portuguesa no Quadro das Políticas Públicas“, 26 maio, 14h, FD - Lisboa | Colégio F3






Bom dia,

O Colégio Food, Farming and Forestry (F3) da ULisboa, em parceria com a Faculdade de Direito desta universidade, organiza, no próximo dia 26 de maio pelas 14h00, o Seminário “O Futuro da Agricultura Nacional: A Política Agrícola Portuguesa no Quadro das Políticas Públicas“, que assinala também o encerramento da 1ª edição do “Curso de Formação Avançada em Direito Agrário e Sustentabilidade”.

Neste seminário, serão debatidos os desafios da agricultura portuguesa num contexto globalizado e de inovação, com pressões dos mercados, do clima e das políticas nacionais e internacionais, em duas mesas-redondas: “Inovação e Agricultura em Portugal” e “A resiliência como vantagem competitiva: Como garanti-la?”.

Entrada Livre, sujeita a inscrição (até dia 22 de maio)

Inscrições Programa Mais informações

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Apresentações "Organização da Produção no Setor da Horticultura Ornamental

APPP-FN 
Apresentações "Organização da Produção no Setor da Horticultura Ornamental
Colóquio 2017
 
 
Apresentações Colóquio - Organização da Produção no Setor da Horticultura Ornamental

Apresentações Colóquio - Organização da Produção no Setor da Horticultura Ornamental

Já estão disponíveis  no nosso site as primeiras apresentações do Colóquio "Organização da Produção no Setor da Horticultura Ornamental" .
Download em http://apppfn.crivosoft.pt/eventos/coloquios

domingo, 2 de abril de 2017

BALADI promove Seminário “Atitudes de Gestão Valorativa dos Activos nas Áreas Comunitárias”

A BALADI – Federação Nacional dos Baldios promove, no próximo dia 8 de Abril, na Lousã, o Seminário “Atitudes de Gestão Valorativa dos Activos nas Áreas Comunitárias”.

A iniciativa realiza-se no âmbito do projecto de informação técnica económica e organizacional para o desenvolvimento dos territórios rurais e decorre no Clube Recreativo Vilarinhense na Lousã, tendo início às 14h00.

As inscrições são obrigatórias e podem ser feitas por telefone (259 348 151 ou 913 815 389) ou por e-mail (baladi.baldios@gmail.com ou geral@baldiosvilarinho-lsa.pt). 
                                 

- Cartaz / Programa

Acção de informação 3 de Abril

Se se candidata a ajudas agrícolas (Pedido Único), já deve ter sido alvo de acções de verificação/fiscalização!
Não perca esta oportunidade!!
Conheça melhor as regras de condicionalidade que tem de cumprir!!
...
Aproveite para esclarecer as suas duvidas.
Acção a realizar dia 3 de Abril a partir das 14 horas, instalações da Côaflor.
Entrada LIVRE!!


sexta-feira, 17 de março de 2017

CISE promove workshop sobre Produção de Plantas Aromáticas e Medicinais

A iniciativa, sob a orientação de Joaquim Morgado, é direcionado ao público em geral e terá lugar no dia 25 de março.
O CISE – Centro de Interpretação da Serra da Estrela vai realizar, no próximo dia 25 de março, mais uma edição do workshop sobre Produção de Plantas Aromáticas e Medicinais (PAM). Sob a orientação de Joaquim Morgado, é direcionado ao público em geral, mas principalmente potenciais produtores que pretendam adquirir técnicas e conhecimentos sobre produção, transformação, acondicionamento e comercialização de PAM.
No âmbito da sessão teórica serão abordados os aspetos a ter em conta na seleção a instalar, quais as principais espécies com interesse económico em Portugal, métodos para instalação, manutenção e colheita das culturas, a secagem, processamento primário, acondicionamento e comercialização.
No decorrer da atividade serão apresentados ainda vários exemplos de algumas espécies e produtos finais obtidos após processamento/embalamento das mesmas, das quais será disponibilizada uma cópia para cada formando.
A participação na atividade tem um custo associado de 35 euros e pressupõe a inscrição mínima de 12 participantes, num máximo de 20, que pode ser efetuada aqui.  Para mais informações aceda ao  site do CISE ou contacte diretamente o CISE pelo telefone 238 320 300 ou pelo correio eletrónico cise@cise.pt.

quinta-feira, 16 de março de 2017

Workshop “Agricultura Biológica e Desenvolvimento Rural Sustentável” na Guarda

A iniciativa acontece no próximo dia 17 e é de participação gratuita, mas sujeita a inscrição.
A Agrobio, Associação Portuguesa de Agricultura Biológica, vai estar na Guarda, no próximo dia 17 de Março, sexta-feira, com o Workshop “Agricultura Biológica e Desenvolvimento Rural Sustentável”. O evento realiza-se no auditório do Paço da Cultura, às 18 horas.
O Workshop “Agricultura Biológica e o Desenvolvimento Rural Sustentável” acontece no âmbito da Campanha + Bio e tem como propósito levar os participantes a entenderem o caminho para a conversão em Agricultura Biológica, o impacto desta no meio-ambiente, as possibilidades da política agrária comum para o desenvolvimento de uma ruralidade sustentável e a aprendizagem direta com um produtor Bio em diferente áreas de produção.
 Este Workshop estará em digressão pelo país, em parceria com diferentes municípios e diferentes instituições: Quercus, DRAP, Bolsa de Terras e diferentes produtores. A iniciativa insere-se na Campanha + Bio, cofinanciada pela comissão europeia.
A iniciativa é de participação gratuita mas sujeita a inscrição em agriobio.pt.



Animais Da Floresta



A floresta… muito mais do que árvores! Um dos segredos mais bem guardados da nossa floresta é a sua fauna. Os mamíferos, em particular, com a sua diversidade de morfologias e hábitos discretos, são um verdadeiro desafio mesmo para os biólogos mais experiente. Como se identificam, se nunca os vemos? Como interpretar os seus indícios de presença? Nesta atividade serão reveladas e explicadas muitas técnicas de deteção de mamíferos, e serão dadas a conhecer as espécies da fauna de Lousada!

Biólogos responsáveis: Pedro Sá e Diana Ferreira.
Mata de Vilar, Lousada
18 Março 2017; 9:30 - 12:30
Inscrições e informações: http://www.cm-lousada.pt/pt/biolousada


quarta-feira, 15 de março de 2017

Investir na Rentabilidade

Os empresários agrícolas trabalham diariamente para gerir um conjunto de recursos limitados com a maior eficiência possível, tendo em vista a obtenção dos melhores resultados económicos para a suas explorações.
A rentabilidade, de mão dada com a sustentabilidade, é o objetivo último dos agricultores mas… estaremos a tomar as decisões economicamente mais interessantes? Estão os agricultores a medir e controlar o real retorno da sua atividade? Há uma verdadeira cultura de controlo de gestão na agricultura portuguesa?
Para discutir estas questões, a Vida Rural convida mais uma vez o setor para um dia de reflexão e partilha sobre os fatores críticos para o sucesso em agronegócios. Investir na rentabilidade é o mote da 4ª edição do AgroIN. Para falar de gestão, de tecnologia, de parcerias, de marketing, de mercado.
E porque todos juntos sabemos mais, contamos consigo dia 20 de abril, no Centro de Congressos do Estoril, num evento onde a palavra-chave é massa crítica. Vamos a isso?

quarta-feira, 1 de março de 2017

Semana da Gestão Agroflorestal Sustentável

A  Associação Portuguesa de Tracção Animal – APTRAN, em conjunto com o Município de Vimioso, a Associação ALDEIA, a Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Bragança e o ZASNET - Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial promovem a Semana da Gestão Agroflorestal Sustentável, a decorrer em Vimioso entre os dias  7 e 15 de Abril de 2017.
Pretende-se com esta iniciativa contribuir para o desenvolvimento desta região transfronteiriça, enquanto parte integrante da recentemente criada Reserva da Biosfera Transfronteiriça Meseta Ibérica. Na génese da Semana da gestão agroflorestal sustentável surgem os mesmos princípios que a UNESCO recomenda aquando da criação de uma reserva da Biosfera: conciliar a atividade humana e a preservação do património natural e cultural com um desenvolvimento socioeconómico sustentável da região.

A Semana da Gestão Agroflorestal Sustentável estará dividida em dois eventos:
Evento 1 - Seminário de Gestão Agroflorestal Sustentável(7 e 8 de Abril)              



Para mais informações e inscrições consultem  em http://www.aptran.pt/semana-gafs-vimioso-2017

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

IV Feira Tradicional de Enchidos e Sabores


Realiza-se a 25 e 26 de fevereiro, a quarta edição da Feira Tradicional de Enchidos e Sabores.O certame realizar-se-á no Pavilhão Multiusos de Belmonte com já é habitual e encontram-se abertas as inscrições para expositores que queiram participar na IV Feira Tradicional de Enchidos e Sabores.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

recolha de 1 milhão de assinaturas - HERBICIDA GLIFOSATO POSTO EM CAUSA POR INICIATIVA EUROPEIA DE CIDADÃOS

COMUNICADO DE IMPRENSA







Começou a recolha de 1 milhão de assinaturas

HERBICIDA GLIFOSATO POSTO EM CAUSA POR INICIATIVA EUROPEIA DE CIDADÃOS







Hoje dezenas de organizações não governamentais de toda a União Europeia, incluindo várias portuguesas, iniciaram a mobilização de cidadãos para banir o glifosato – mais conhecido como o herbicida Roundup da Monsanto.



Em Portugal registam-se os níveis de contaminação humana mais elevados de toda a União Europeia, mais de um ano após a Organização Mundial de Saúde ter classificado este herbicida como "carcinogénio provável para o ser humano e carcinogénio provado para animais de laboratório". Por isso todos os portugueses têm particular interesse em aderir a esta ação.



Além da proibição dos herbicidas à base de glifosato, a iniciativa de cidadania agora desencadeada pressiona a Comissão Europeia para dois objetivos adicionais: garantir a transparência e independência nos processos de (re) autorização de pesticidas e impor prazos obrigatórios para a redução progressiva do uso de todos os pesticidas.



João Branco, Presidente da Quercus lembra que "De acordo com a legislação europeia os pesticidas só podem ser usados quando todos os outros métodos já se esgotaram. Além disso os Estados Membros estão obrigados a reduzir o uso e impacto dos pesticidas autorizados. No entanto esses processos estão a arrastar-se pelo que a Comissão Europeia tem de avançar com prazos concretos e obrigatórios que efetivamente reduzam a carga de contaminação química a que todos estamos sujeitos."



Esta Iniciativa de Cidadania Europeia, criada legalmente no âmbito do Tratado de Lisboa, tem até 25 de janeiro de 2018 para recolher um milhão de assinaturas, com valores mínimos obrigatórios atingidos em pelo menos sete Estados Membros (em Portugal o mínimo é de 15750 assinaturas válidas). No entanto, como a Comissão Europeia pretende tomar uma decisão final sobre o glifosato até ao final de 2017, a recolha de assinaturas deverá terminar até ao verão. As Iniciativas de Cidadania obrigam a Comissão Europeia a propor legislação sobre a matéria em causa, embora não possam forçar o resultado final desse processo.



Os interessados podem assinar na página da Quercus (www.quercus.pt) ou na da organização central (www.banglyphosate.eu), entre outras.



Lisboa, 08 de fevereiro de 2017



A Direção Nacional da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza



____________________________________________________________________________

Para mais esclarecimentos contatar:

Alexandra Azevedo, coordenadora da Campanha “Contra os herbicidas em Espaços Públicos | Tlm: 927986193



João Branco, Presidente da Direção Nacional da Quercus | Tlm: 937 788 472





------------------------------------------------------------------------------------------------------------



ENQUADRAMENTO E INFORMAÇÃO ADICIONAL



O glifosato é o herbicida mais usado em Portugal (e em todo o mundo), sendo aplicado amplamente na agricultura e em áreas urbanas, mesmo nas mais sensíveis – como ruas e calçadas, parques públicos eespaços de escolas e hospitais. Também é vendido livremente para uso não profissional (em hortas e jardins privados). A sua aprovação baseou-se em estudos de toxicidade secretos e controversos, produzidos pela própria indústria e com duração insuficiente para avaliar devidamente o risco de cancro e disrupção endócrina, entre outros.



Em março de 2015 a Agência Internacional para a Investigação do Cancro da Organização Mundial de Saúde, autoridade mundial na matéria, classificou o glifosato como «carcinogénico provado para animais de laboratório» e «carcinogénico provável para o ser humano». Esta conclusão foi baseada numa revisão de cerca de 1.000 estudos publicados em revistas científicas e independentes dos interesses comerciais.



De acordo com a Ordem dos Médicos, através do seu Bastonário, existem atualmente múltiplas evidências de que o glifosato é um fator de risco para doença celíaca, infertilidade, malformações congénitas, doença renal, autismo e outras patologias. A situação é de tal modo grave do ponto de vista da saúde pública que a Assembleia Geral da Associação Médica Alemã em 2016 aprovou um pedido formal para que o glifosato não seja reautorizado, nem na Alemanha nem na União Europeia.



A Comissão Europeia pretende renovar a autorização de venda do glifosato mas não tem tido apoio político para tal, pelo que optou por prolongá-la apenas até ao final de 2017 enquanto se aguarda o parecer científico da Agência Europeia da Química(ECHA). No entanto a ECHA apenas está a analisar o potencial cancerígeno do glifosato – o seu potencial para desregulação endócrina vai continuar por definir, o que significa uma enorme falha na avaliação do real impacto deste químico e uma razão adicional para o proibir.



A autoridade fitossanitária nacional (a Direção Geral de Alimentação e Veterinária do Ministério da Agricultura) proibiu recentemente os herbicidas à base de glifosato que contenham também uma outra substância particularmente tóxica(a taloamina) e anunciou a proibição de aplicação do glifosato em espaços públicos mais sensíveis. São medidas positivas mas que ficam ainda muito aquém do necessário para garantir a segurança dos portugueses.



A situação em Portugal é particularmente grave. Em 2014 aplicaram-se no país mais de 1.600 toneladas de glifosato e este consumo, que mais que duplicou entre 2002 e 2012, continua a aumentar de acordo com os dados oficiais.A sua utilização abrange a agricultura como também, e em grande escala, os espaços públicos, mesmo em períodos de chuva onde a probabilidade de arrastamento para os cursos de água (e captações para consumo humano) aumenta significativamente.



Há mais de dez anos que em Portugal não é feita qualquer análise oficial à presença do glifosato em alimentos, solo, água, ar ou pessoas. Este vazio, inédito a nível europeu, foi preenchido parcialmente em 2016 com análises realizadas pela Plataforma Transgénicos Fora em colaboração com a iniciativa internacional Detox Project (detoxproject.org) que evidenciaram níveis inesperadamente elevados deste contaminante na urina de todas as pessoas analisadas.Os portugueses testados apresentaram, em média, vinte vezes mais glifosato do que os seus homólogos alemães.



Face à gravidade e à atualidade do problema, dezenas de organizações não governamentais europeias vão agora levar a pressão pública à Comissão Europeia através da Iniciativa de Cidadania.Os dias do glifosato estão contados porque a consciência coletiva dos europeusestá a acordar e a opção vai esmagadoramente no sentido deuma agricultura realmente sustentável, amiga dos pequenos produtores, que contribua para um ambiente limpo e produza alimentos saudáveis para todos.



As referências das afirmações objetivas deste comunicado estão disponíveis a pedido.

I FÓRUM TERRAS DO LINCE NO SABUGAL

http://www.cm-sabugal.pt/wp-content/uploads/cets-fórum-600x849.jpg

Decorre esta quinta-feira, dia 23 de fevereiro, a partir das 15 horas, no Auditório Municipal do Sabugal, o I FÓRUM TERRAS DO LINCE , após o reconhecimento da estratégia integrada de turismo sustentável por parte da Federação Europarc – a Carta Europeia de Turismo Sustentável ‘Terras do Lince’.
Tratando-se assim de uma certificação de suma importância para a região que compreende a Reserva Natural da Serra da Malcata, numa estratégia integrada do ICNF – Instituto de Conservação da Natureza e Florestas e dos Municípios de Almeida, Sabugal e Penamacor, em estreita articulação com uma vasta parceria que integra agentes públicos e privados do território de influência, o Fórum será uma ocasião de encontro e de partilha com as comunidades locais.
O evento contará com a honrosa presença da Diretora Executiva da Federação Europarc, Carol Ritchie, e com o Vice-Presidente daquela entidade, Paulo Castro, que farão uma abordagem à importância da constituição de redes de trabalho para o eficiente decurso do plano de ação previsto, bem como a relevância deste tipo de certificação para o desenvolvimento sustentável dos territórios.
Também, numa segunda parte do Fórum, e a cargo do responsável da Direção de Apoio ao Investimento do Turismo de Portugal IP, Luís Coito, contaremos com uma apresentação das linhas de apoio ao Turismo, com detalhe do financiamento e tipologia de ações elegíveis, numa perspetiva de oportunidades de investimento no nosso território de elevado potencial.
A organização, da responsabilidade da Territórios do Côa, conta assim com a afluência de um vasto e interessado público no I FÓRUM TERRAS DO LINCE, onde será também apresentada uma nova imagem, que se conta venha a ser adotada e sentida pelos seus parceiros.